Feed on
Posts
Comments

Category Archive for 'haiquase / senryu / tanka'

a pedra

  tenho estado tão só lida .

Read Full Post »

o disfarce

  falar diz farsa … como(ver dá de) graça, o ho(mem tira   .    

Read Full Post »

o epitáfio

  a mariposa morta pousa petalosa como uma rosa   ‘

Read Full Post »

a gota

  lágrima santa lava como água-benta o pé da planta , a chuva lenta se adia até chorar de alegria    

Read Full Post »

claro como o mar   onde meu olho nada   :   nada a declarar     .

Read Full Post »

  flores mortas são primaveras que se vão frutas que verão        

Read Full Post »

o ouro

  nada que eu queira mais que a sombra dourada da amendoeira      

Read Full Post »

a árvore

  ave sã não tomba , balança a sombra anciã do flamboyant    

Read Full Post »

a pestana

  folhas de outono como pálpebras que caem mortas de sono        

Read Full Post »

o aqui

  ser é escasso , o tempo vence o espaço pelo cansaço      

Read Full Post »

a graça

  ser é um mistério lindo e findo e tão sério que só rindo      

Read Full Post »

o prelúdio

  sabiá já canta ; a natureza aos pios seus frios espanta    

Read Full Post »

a traineira

  velha barcaça   deixe estar todo peixe um dia passa        

Read Full Post »

o figo

  se é para o bem de todos e felicidade geral dos micos diga ao povo que ficus          

Read Full Post »

a torneira

  chuva na ilha minh’alma lavada escorre poesia   como vasilha emborcada sob a água da pia      

Read Full Post »

  anjo de luz que passa   ave marinha cheia de garça          

Read Full Post »

o rei

  fim do verão, o sol que cai dá um sono, vai pro outono ou não vai ?        

Read Full Post »

as crisálidas

  pobres lagartas rubras brasas presas sob os cinzas dos casulos em que azulam suas asas pretas        

Read Full Post »

    branco é o buraco negro que engole o meu olhar sanpaku        

Read Full Post »

chuá

  mergulho no azul , lavo o sol que me ilumina   ;   dia de piscina      

Read Full Post »

  vi pirilampos no ipê do meu quintal : árvore de natal      

Read Full Post »

a porcelana

  um haicai de cada caco faço do estrago mosaico    

Read Full Post »

xingu

    não se apreça um rio ; seu fim é só o começo seu preço é um leito vazio      

Read Full Post »

o banho

    a gueixa sonhou que a rã de bashô é fã do seu ofurô        

Read Full Post »

o balde

  desço ao poço tudo ouço nada posso dizer às pedras     a água sobe a parede   a sede até o pescoço        

Read Full Post »

  chuvinha fina solando e atrás da cortina o astro na surdina      

Read Full Post »

olho dágua

  meu olho vaza ;   foi um rio que passou na sua casa      

Read Full Post »

jaca já

  sob a mangueira a primavera me cheira como já queira    

Read Full Post »

o bem-te-vi

  no ipê-roxo um ovo rebenta um novo canto   ouro sobre um dia branco    

Read Full Post »

a goteira

  chove tanto que até telha de amianto se comove    

Read Full Post »

  nem cristo salva o sol do amor redentor da estrela dalva    

Read Full Post »

  lâmpada fria fia-te luz do dia tarde da rua   a lua late antes da light havia a via láctea    

Read Full Post »

  dia tão lindo que as samambaias choronas estão sorrindo    

Read Full Post »

a enseada

  mar bota fogo vento pára, a baía me guanabara    

Read Full Post »

    fora tudo gris , dentro aponto céus anis da cor de um lápis     .       foto: mercedes lorenzo    

Read Full Post »

  meu sacro ofício: lazer do ócio um templo sagrado ao amplo      

Read Full Post »

  o dia estoura   o sol molha o sereno ouro banha o breu   ;   a terra me olha   numa gota de chumbo que o azul derreteu   .    

Read Full Post »

desavenca

  a vida não espera prima vera virou verão a avenca já hera      

Read Full Post »

samurai

  haiquase que cai? bota fé no samurai e sai de bashô   …   [mais um “poema incidental”, resgatado dos comentários ao poema ‘quiromance’ /2009 >> http://www.novoaemfolha.com/2009/10/quiromance.html ]  

Read Full Post »

  se fecha o clima , tenha eu sempre comigo o abrigo da estima , ,  

Read Full Post »

  a  borboleta é a obra que devora  a crisálida    ~   vista fora do artista, toda crise é válida .    

Read Full Post »

de leve

  asas no jardim ; quem semeia bem-me-quer colhe querubim … {nem a chuva de chumbo  me desarcanja o mundo}  

Read Full Post »

  micos nas telhas ; essa manhã promete frutas vermelhas .   Foto: Analu Prestes     .

Read Full Post »

deleite

  um vento solar condensa a láctea via que me alimenta , ordenha imensas montanhas pra amamentar as minhas ventas

Read Full Post »

  o ousado goza  ; o orvalho lambe o espinho e molha a rosa ,

Read Full Post »

  éter evaporo um perfume do vazio  por cada poro

Read Full Post »

, a mata ecoa murmurinhos que a rua acua e mata , refúgio da crua e rústica colcha acústica . .

Read Full Post »

* o breu transborda ; noite longa dá corda no relógio de sol .

Read Full Post »

  , em última análise eu sempre prefiro uma fotossíntese .

Read Full Post »

  pinga-me um lírio nos cílios ; poesia é o melhor colírio .

Read Full Post »

Older Posts »