Feed on
Posts
Comments

Category Archive for '100seleta'

a murucututu

  traço um esboço insisto em rasas garatujas   o silêncio tem asas ouço corujas    

Read Full Post »

o fumo

    nuvem que passa me traga sinais de fumaça   galáxias que não sei onde vê-las   (a chuva esconde as estrelas mas não apaga)    

Read Full Post »

o sonho

  acordo morta e ainda respiro   o céu continua seu giro a lua cumpre seu turno e ninguém se importa   nada é pra sempre eu ainda durmo nua    

Read Full Post »

  lâmpada fria fia-te luz do dia tarde da rua   a lua late antes da light havia a via láctea    

Read Full Post »

o dígito

  com quantos dedos se fez carne meu poema ? pra caber entre os seis medos da sua mão pequena      

Read Full Post »

trabalhos de psiquê

  depois do rei morto deposto a resposta é só não sei   a alma é sem lei sem porto o amor é um deus sem rosto    

Read Full Post »

xerazade

  era uma vez a noite lenta que não termina   vou te contar a minha lenda é muito fina   trama tão rara não se desvenda nua de cara   teço o que penso quase em silêncio lenço por lenço   dispo a retina com que me olhas suspenso   com a maciez sutil […]

Read Full Post »

selene

  quase dia a meia-lua ronda à tonta e não dá conta da fase que me permeia: não sei se mínguo ou se cresço   metade sou meio nova dois terços tô mais que cheia subo e desço um pé na areia um na cova    

Read Full Post »

a boca

  mais busco o silêncio que se desprenda como um furo estreito da renda como o final brusco da música   a falta de ar súbita   o vazio perfeito diante do imenso   no oceano deserto uma única ilha   essa falta filha da puta     .       foto: mercedes lorenzo […]

Read Full Post »

a nuvem

  vivo onde o tempo faz a curva e nem sei mais   onde a chuva começa onde cessa o mar que me atravessa    

Read Full Post »

a janela

  o desejo não usa a porta entra pela fresta , faz festa não se comporta pulsa e aperta abusa e a blusa aberta    

Read Full Post »

a pétala

  a manhã fria me fere , o dia adere à pele por teimosia .    

Read Full Post »

a mandrágora

  a madrugada é escura uma aurora prematura   uma noite que dura além da hora é uma draga uma agrura   é uma maga obscura é uma ruga que chora uma drogada   é a mágoa rogada é a jura é a água pura da mulher amada       [ arquivo em audio >> a mandragora ]

Read Full Post »

flagrante delito

  olho pro lado: ninguém por perto , disfarço e aperto um fraseado .

Read Full Post »

o fóton

  a insubstância da luz é o amálgama entre a ânsia e o meu dia fragma     .

Read Full Post »

a cinza

  catar os restos de um verso triste   exumar o adeus   ,   deus se existe é nos pequenos gestos   .

Read Full Post »

a mandíbula

  32 vácuos me mordem   e os dentes do caos na mais perfeita ordem   .

Read Full Post »

alvorada

  o sapo coaxando a cigarra chia uma prece a araponga buzina   o dia, uma fresta na cortina   a vida se aquece na floresta como orquestra cochichando na coxia        

Read Full Post »

o vagão

  consumo é um trem que vem com tudo contudo sem conteúdo .

Read Full Post »

revoada

  saem as moças pro trottoir:   à luz da rua um paná-paná de mariposas de lupanar   ~ ~~  

Read Full Post »

soneto da boba da corte

caí aqui de passagem não tenho carro ou bagagem vago com a cara e a coragem de errar e seguir viagem   meu caminhar é ligeiro num passo ando o mundo inteiro não me troco por dinheiro fabrico ouro verdadeiro   confesso que não venci mas um dia fico rica rica-de-marré-de-si   o universo está […]

Read Full Post »

penélope

  à noite teço desde o começo um véu de túneis no fim do céu espesso    

Read Full Post »

exorcismo

  lavro versos curtos como orações   palavras são legiões de demônios expulsos   corto advérbios pronomes   poupo os pulsos   .    

Read Full Post »

kundalini

  não sou santa tenho buda só descanso em kama sutra   via dutra quando alinha minha espinha aos chakras teus   é um deus nos sacuda …    

Read Full Post »

eco a narciso

  da teimosia de que eu peco … eco do pensamento que me aturde … urde como que por encanto surge … urge a sua imagem que disseco … seco   se essa voz débil que re-clama … lama fosse punhal que a vida amola … mola veria no amor que descola … escola portal da luz […]

Read Full Post »

na veia

  viver é um vício, socorro ! um dia ainda morro disso .    

Read Full Post »

a fonte

  jorram parábolas lágrimas pródigas ; meu olho é pálpebra pra toda ópera

Read Full Post »

adeus ano velho

  venta um ar vário varrendo as fendas e há folhas tantas atrás do armário  … nas fundas sendas do itinerário vai pras calendas meu calendário   .    

Read Full Post »

bem-te-ouvi

  despertador toca lá fora , um sopro aflora de cada ninho : cantiga de acordar passarinho    

Read Full Post »

pela boca

  o peixe pisca ; pra isca que o pesca .     [repescado da caixa de comentários do poema ‘água na boca’ (2009) >> http://www.novoaemfolha.com/2009/10/agua_na_boca.html ]   

Read Full Post »

mata-borrão

  por mais que eu minta minha folha fina e branca não estanca tanta tinta , por mais que eu tente (e tento opaca!) minha casca quando molha é transparente      

Read Full Post »

maresia

  eu sou a ferrugem lenta e salgada que lambe e te come pela beirada ; dulcíssima fome que rói teus espelhos na vertigem dos meus lábios vermelhos      

Read Full Post »

o que quer uma mulher?

  o que quero? eu me pergunto : quero arte em cada assunto quero rir e gozar junto quero todo amor do mundo e se não for pedir muito quero melão com presunto   .      

Read Full Post »

moira

  escrevo como quem fia , do emaranhado puxo um punhado até dar linha , e afino à unha a ver se me atrevo a chamar poesia ; escrevo como quem tece sem gabarito um pano curto de trama torta , a ver se amortece o impacto surdo do meu enlevo no céu finito ; […]

Read Full Post »

locomotiva

  estar morto ou vivo tem motor não tem motivo   .  

Read Full Post »

  o ousado goza  ; o orvalho lambe o espinho e molha a rosa ,

Read Full Post »

sísifo

. o seu desleixo rolou pelo meu queixo como um seixo .

Read Full Post »

corpuschristi

  meu corpo aflito só tem fé nos elementos   tenho pressa meu reino não é deste distrito   nada menos que o sangue infinito me atravessa   . . .

Read Full Post »

lição de anatomia

\ a dor é dura lâmina que me retalha a ânima em fatias muito finas , árdua finura que a minha mortalha fria examina sem qualquer intuito de cura . .

Read Full Post »

  , em última análise eu sempre prefiro uma fotossíntese .

Read Full Post »

  pinga-me um lírio nos cílios ; poesia é o melhor colírio .

Read Full Post »

arrepio

  lábil sentido: a língua do silêncio em meu ouvido .

Read Full Post »

escrevidão

  “escreve, escrava! és escriba, não nababa”   a musa me usa e morrer livros não me livra   nunca acaba a minha estiva de morder viva a palavra .

Read Full Post »

a poça*

  à sombra do lustre rosa a moça posa pro moço qual nem lhe fizesse mossa o assombro   do observador atento sentado ali do outro lado rabiscando em alvoroço intenso   seu repasto um guardanapo o lápis rasgando o lenço mil traços por cada canto da mesa   como quem desse de ombros a moça finge que almoça […]

Read Full Post »

a obra é abóbora

  abro a boca da cobra braba no braço   faço a barba da cabra cega no escuro   obro em processo cubro   asso cobre sobre ouro rubro incubo oro abracadabra    me acabo onde recomeço abraço meu próprio rabo oroboro        ver: kundalini, oroboro, abracadabra, cabra, incubação, alquimia, rubedo  

Read Full Post »

  estava escrito: se está tudo perfeito vai ter mosquito .    

Read Full Post »

‘ garoa pinga gotas da sua sede na minha língua

Read Full Post »

‘ traje de chuva:  roupa de cama me cai como uma luva

Read Full Post »

eloqüência

a sua ausência fala por si lêncio .

Read Full Post »

rosa-dos-ventos

  vivo cigana roda na estrada carta na manga rota na mão   a caravana passa e eu, ladra ganho uma prenda teu coração   um dia amarro minha carroça planto uma roça no teu regaço   por ora solto volto pra praia com um braço do teu mar debaixo da saia   …   gira […]

Read Full Post »

« Newer Posts - Older Posts »